Cidadão do Povo
Mauricio Dias

Enquanto o assunto mais comentado no país na área de saúde ultimamente é a contratação de médicos pelo governo federal, diversas cidades penam em resolver, não só a falta do profissional, mas o problema da falta do local para este laborar e, ou, quando existe, condições físicas e equipamentos necessários para tal.

Jacobina vive uma situação atípica. Depois da insensatez do Executivo local, que através de atos irrefletidos recusou receber benefícios e implantar serviços que mudariam substancialmente as condições da saúde pública da cidade, como a construção de uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA), o Laboratório Central e a Central de Regulação, o município sede da região dá-se o luxo de dispensar os serviços de um hospital da cidade, como se o único nosocômio municipal seja o suficiente.

Já se passaram mais de sete meses e o embate político entre dois grupos se torna cada vez mais como o principal motivo para a barbaridade contra o jacobinense, a falta de atendimento médico especializado e de qualidade. Os cidadãos e cidadãs que há mais de três décadas vêm sendo castigados, pasme, por médicos, radiologista e assistente social (todos os gestores da final da década de 70, até os dias atuais são da área de saúde), ao contrário dos que vivem os subestimando, já deu demonstrações dos seus descontentamentos.

A falta de médicos e a superlotação no atendimento no Hospital Municipal Antonio Teixeira Sobrinho são uma das principais e claras demonstrações da precariedade na área de saúde, mas mesmo com estes problemas, inclusive com várias vidas ceifadas, a frieza e a desumanidade insistem em imperar.

As estatísticas assustam. Nos últimos meses diversas mortes aconteceram em Jacobina por conta da falta de uma atenção digna na área de saúde. Que os digam os familiares do ex-secretário de saúde, José Luiz (Zé Banana). Até quando irá se gastar absurdas cifras com consultorias e festas desnecessárias, enquanto a população, literalmente, tem morrido à míngua? Conceitos precisam ser revistos, não só por parte dos administradores, mas, principalmente dos que possuem o poder de colocar e, também, de tirar, um governante.

A situação da saúde pública em Jacobina é assunto de extrema importância para ser debatido, avaliado e, urgentemente, ser resolvido. Chega de imprudência e disse me disse, para não confundi a timidez do vulcão com sua erupção.

Para os insolventes e os que acreditam na perpetuação da enganação, é bom não esquecer o adágio popular:

“Quem geme, é quem sente a dor” Que os deslocamentos para a capital do Estado sejam para o turismo, o lazer, o de viver a vida.

Gervásio Lima é jacobinense, jornalista e historiador.

Cafe beira rio
Abreu