Cidadão do Povo
Mauricio Dias

Aidilson (esquerda) e Mateus (direita) foram apresentados, na tarde desta terça-feira (14), no auditório do DHPP

Poucas horas após ter o corpo da jornalista Daniela Bispo dos Santos, 39 anos, descoberto com sinais de violência nas escadas do edifício Catabas Empresarial, o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) identificou e capturou Mateus William Alecrim Dourado Araújo, 32, em Lauro de Freitas, autor do crime classificado como feminicídio. Ele planejou a morte de Daniela, com quem mantinha um relacionamento, levando uma pedra escondida dentro de uma mochila, ao local de trabalho da vítima.

Em depoimento, confessou o crime, segundo ele, motivado pela pressão feita por Daniela para que assumissem o relacionamento amoroso. De acordo com a delegada Milena Calmon, titular da 1ª Delegacia de Homicídios/Atlântico, responsável pelo caso, o acusadomorava com a companheira. Ele e Daniela começaram a se relacionar quando trabalharam juntos num call center, onde ele era gerente. Mesmo depois de ser demitido, continuou se encontrando com Daniela e, recentemente, ela teria passado a exigir que ele se separasse da mulher e a assumisse como namorada.

A polícia apurou ainda que Mateus teve acesso ao prédio em que a vítima trabalhava sob o pretexto de buscar uma chave. Ele a chamou para uma conversa nas escadarias do prédio e os dois começaram a discutir. Quando as agressões começaram até utilizar o paralelepípedo para matar a jornalista. “As imagens das câmeras de segurança do prédio e o depoimento de testemunhas que o reconheceram como namorado de Daniela foram cruciais para a elucidação do homicídio”, destacou a delegada.

Corretora de Imóveis

Outro feminicídio elucidado nesta terça-feira (14) foi o caso da corretora de imóveis Janaína Silva de Oliveira, assassinado na última quinta-feira pelo namorado Aidilson Viana de Sousa, de 44. Identificado como principal suspeito pela polícia e com mandado de prisão em aberto expedido pela Justiça Aidilson se apresentou com advogado na sede do DHPP após negociar a sua rendição.

Em depoimento, alegou ter cometido o crime por legitima defesa. Afirmou que Janaína estava alcoolizada quando começaram a discutir na última quinta-feira (9) e que a vítima teria iniciado as agressões com uma faca, sendo imobilizada e morta em seguida por ele.

Há dois anos Janaína denunciou uma agressão cometida por Aidilson na 27ª Delegacia Territorial de Itinga, onde um inquérito foi instaurado e uma medida protetiva foi deferida pela Justiça. Porém, após o primeiro prazo finalizar, a medida não foi renovada a pedido da vítima.Pessoas que conviviam com o casal disseram, em depoimento, que o casal brigava com frequência. Foto: Jorge Cordeiro/Divulgação/SSP-BA

Abreu
Cafe beira rio